Coluna: @ Serra gaúcha - Por Oliveira Junior

Brasil presente na COP26 com Mister Shildt
05 de Novembro de 2021 às 16:40
Oliveira Júnior, em sua coluna de hoje, aborda a participação do brasileiro Arnildo Shildt na COP26. Ele é ex-embaixador e diplomata brasileiro, residente na Serra Gaucha.
Oliveira Júnior, em sua coluna de hoje, aborda a participação do brasileiro Arnildo Shildt na COP26. Ele é ex-embaixador e diplomata brasileiro, residente na Serra Gaucha.

O embaixador e diplomata brasileiro e bolsista de Harvard, o douto amigo Mister Arnildo Schildt, para nossa honra, residente na serra gaúcha, abnegadamente vem desenvolvendo um projeto centrado num moderno modelo, e com garbo e sapiência, expõe na plenária da cúpula da COP26 que está acontecendo em Glasgow, Reino Unido, de 31 de outubro a 12 de novembro desse 2021. O evento ganhou o status de servir como um catalisador para ação e adoção de tecnologia na incansável batalha contra os sérios efeitos das variações climáticas globais.

Nanosensor e tecnologia digital dupla se unem na COP26- Os nanossensores munições essenciais para as discussões entre as nações e organismos internacionais na COP26 em Glasgow, no Reino Unido, até dia 12 de novembro, onde se encontra o Mister Shildt, serão termômetros para o estudo avaliativo no que diz respeito ao tão necessário rastreamento de carbono.

O papel do arrojado do projeto segundo Arnildo Shildt, utilizará nanossensores para rastrear o desmatamento e a poluição, temas altamente debatidos, inclusive pelos poderes constituídos no Brasil e no mundo, e com isso, será uma mão amiga no sentido de ajudar a gerenciar os passos devastadores do carbono, e destarte, buscar um antídoto que permitirá a redução das emissões e o rastreamento dos incalculáveis desmatamentos feitos de forma dolosa.

Nosso ex- embaixador Arnildo Shildt afirmou que : "Temos trabalhado incansavelmente por dois anos desenvolvendo um modelo com governos, com a ONU, bancos internacionais, acadêmicos e parceiros da indústria, bem como investidores para aproveitar o poder do Digital Twin e da tecnologia de nanosensores para resolver dois enormes desafios para nosso ambiente simultaneamente”.

Além disso, Shildt que se faz presente na COP26 diz que seguirá com outras reuniões de parceria no Reino Unido, Canadá e Estados Unidos logo após o evento de Glasgow para tornar isso uma realidade.

A COP26 tem no seu bojo a função de buscar soluções para abrandar a crise climática, empregando a nanotecnologia, a qual pode ser uma arma mortífera e capa protetora para resguardar nosso planeta, livrando-o das catástrofes muitas vezes causadas pela mão do próprio homem. Muito êxito, é o mínimo que desejamos ao nobilíssimo amigo Arnildo Shildt em Glasgow- Escócia. O mundo precisa de mais estudiosos como Mister Shildt, o qual tem viajado pela Europa, Estados Unidos, Canadá, China, em nosso país em Brasília, São Paulo, Rio, e noutros importantes países, sempre preocupado também com o Meio Ambiente, tão bem definido para nós brasileiros no artigo 225 da Constituição Federal de 1988, que é enfático ao asseverar que devemos preservá-lo para as presentes e futuras gerações. Arnildo Shildt é igualmente o Executivo da Comissão do Trem da Serra Gaúcha, da qual também faz parte meu amigo, Comendador Ari de Carvalho, entre outros.

Direto de Flores da Cunha, Oliveira Junior, correspondente Internacional do projeto Trem da Serra gaúcha.

Mais artigos de @ Serra gaúcha - Por Oliveira Junior