Coluna: COLUNA DO BARBOSA

Maio Laranja
27 de Maio de 2022 às 12:00
A coluna de Nolfeu Barbosa desta sexta-feira, 27 de maio, destaca a campanha Maio Laranja, que visa despertar a atenção contra o abuso e a exploração sexual infantil.
A coluna de Nolfeu Barbosa desta sexta-feira, 27 de maio, destaca a campanha Maio Laranja, que visa despertar a atenção contra o abuso e a exploração sexual infantil.

Em 18 de maio é lembrado o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual Infantil, marcado pela campanha Maio Laranja. O objetivo da campanha é levar informações à população e, principalmente, aos profissionais do Sistema de Garantia de Direitos (SGD), que atuam de maneira mais direta com o público infanto-juvenil. A ideia é que esses agentes conheçam a realidade atual de crianças e adolescentes que sofrem violência e outras violações de direitos, para que o atendimento a esse público seja cada vez mais eficaz. A cor laranja foi escolhida para essa ação por fazer referência à coloração da gérbera, uma flor comum no Brasil e que representa a fragilidade e a vulnerabilidade.

A campanha Maio Laranja surgiu de um fato trágico, ocorrido em 18 de maio de 1973, quando uma menina chamada Araceli Crespo, de apenas 8 anos de idade, foi sequestrada, drogada, violentada sexualmente e assassinada, na cidade de Vitória, capital do Espírito Santo. Em 1991, 18 anos após o crime, os três réus acusados foram julgados e absolvidos, e esse crime permanece impune até hoje.
Para enfatizar a importância da Campanha Maio Laranja, marcada pela conscientização sobre a prevenção do abuso e da exploração sexual de crianças e adolescentes, o Governo Federal, por meio do Ministério da Cidadania (MC), em parceria com o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), buscou o apoio de diversos clubes de futebol, atletas e ex-atletas de destaque, além de universidades e entidades de ensino superior. Todos estão engajados em diversas ações ao longo deste mês.

Atletas como o multicampeão da natação e maior nome da história do país no esporte paralímpico, Daniel Dias; os campeões olímpicos de vôlei Serginho, Fofão e Paula Pequeno; a rainha do basquete, Hortência; o medalhista olímpico do atletismo André Domingos; o ex-jogador de futebol Somália; o zagueiro do Grêmio, Geromel; o jogador da Seleção Brasileira de Futebol de Nanismo (BRASA), Leonardo Conceição; e o ex-jogador de futebol, Ivo, gravaram vídeos de apoio ao Maio Laranja, que serão divulgados nas redes sociais dos ministérios e das entidades apoiadoras da campanha. Entre os clubes de futebol, destacam-se Athletico Paranaense, Flamengo, Grêmio, Internacional, Náutico, Santos, São Paulo e Retrô Brasil, que se uniram ao time de apoiadores e promoverão outras iniciativas, como iluminação em estádio, veiculação de vídeos sobre o Maio Laranja nos telões das arenas durante as partidas e divulgação das ações nas redes sociais. O Instituto Federal do Ceará, a Universidade Federal do Ceará, a Universidade Federal do Amazonas, a Universidade Federal de Santa Catarina, a Universidade do Estado de Mato Grosso, a Universidade Federal de Viçosa, a PUC/RS e o Centro Universitário UNIBRA também entraram na campanha e ampliarão a divulgação nas redes sociais. A campanha conta ainda com a participação do Ministério da Educação, da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e da Confederação Brasileira do Desporto Escolar (CBDE).

Na campanha deste ano, visando à conscientização das pessoas, o MMFDH distribuiu cartilhas, cards e vídeos informativos. Nesse material, também são destacados os meios de fazer denúncias contra abusos de crianças e adolescentes, como o Disque 100 e o aplicativo para celular “Direitos Humanos Brasil”, além de WhatsApp e Telegram.
Chama a atenção o fato de que, num dos vídeos da campanha, constata-se que 52% dos casos de exploração, violência ou abuso sexual ocorrem dentro da casa da vítima, e que apenas um em cada 10 casos é notificado às autoridades.

Se você se deparar com algum caso de abuso infantil, não hesite. Denuncie! Talvez aquela criança esteja necessitando muito da sua ajuda.

PARA DESCONTRAIR:

A MULA JUSTINA
Um fazendeiro, chamado João, sofreu um grave acidente de carro na rodovia. Devido aos ferimentos, ele ficou internado no hospital por mais de seis meses. Quando ele se recuperou, acionou na justiça o causador do acidente.
No tribunal, o advogado da empresa de caminhões questionava João:
- Você não disse, no momento do acidente, que estava bem'? - perguntou o advogado?
João respondeu:
- Bem, vou lhe contar o que aconteceu. Eu tinha colocado minha mula favorita, a Justina, no...
- Eu não lhe pedi nenhum detalhe, - interrompeu o advogado. - Basta responder à pergunta. Você não disse, na cena do acidente, “eu estou bem?” João voltou a dizer:
- Bem, eu tinha colocado a Justina no trailer e estava dirigindo pela estrada...
O advogado interrompeu novamente, e disse:
- Juiz, eu estou tentando estabelecer o fato de que, na cena do acidente, este homem disse ao policial rodoviário, que atendeu à ocorrência, que estava bem. Agora, vários meses depois do acidente, ele está processando meu cliente. Acredito que seja uma fraude. Por favor, diga a ele para simplesmente responder à pergunta.
A essa altura, o juiz já estava bastante interessado na história de João e Justina, e disse ao advogado:
- Gostaria de ouvir o que ele tem a dizer sobre sua mula favorita, Justina.
João agradeceu ao juiz e prosseguiu.
- Bem, como eu estava dizendo, eu tinha acabado de levar Justina, minha mula favorita, até o trailer e estava dirigindo pela rodovia, quando aquele enorme caminhão avançou o sinal vermelho e bateu na minha caminhonete, bem na lateral. Eu fui jogado em uma vala e Justina foi jogada na outra. Eu estava muito ferido e não conseguia me mover. No entanto, eu podia ouvir a velha Justina chorando e gemendo. Eu sabia, por seus gemidos de dor, que ela estava muito machucada. Quando o policial rodoviário entrou em cena, ele ouviu Justina chorando e gemendo, e então foi até ela. Depois disso, só ouvi um disparo de arma de fogo e o silêncio da Justina. Então o policial atravessou a rodovia, entrou em meu campo de visão, com a arma ainda fumegando na mão, olhou pra mim e disse:
- Sua mula estava muito mal e, infelizmente, eu tive que sacrificá-la; dei-lhe um tiro na cabeça. E você, como está?
- Eu respondi: Eu estou ótimo!!!

Por Nolfeu Barbosa.

Mais artigos de COLUNA DO BARBOSA