Coluna: COLUNA DO BARBOSA

Para descontrair
05 de Novembro de 2021 às 10:00
Sexta é dia de descontrair com a seleção de piadas feitas por Nolfeu Barbosa.
Sexta é dia de descontrair com a seleção de piadas feitas por Nolfeu Barbosa.

CIDADE DO INTERIOR:

Numa pequena cidade do interior, lá em Junqueirópolis (SP), uma mulher entra numa farmácia e fala ao farmacêutico:

- Por favor, quero comprar arsênico.

- Mas não posso vender isso ASSIM! Qual a finalidade?

- Matar meu marido!!

- Pra este fim... piorou... não posso vender!!!

A mulher abre a bolsa e tira uma fotografia do marido, abraçado com a mulher do farmacêutico.

- Ah, bom..... Por que a senhora não me disse que tinha receita?!!!


VIDA A DOIS:

Marido chega preocupado em casa e diz à esposa:

- Tenho um problema grave no serviço.

Esposa:

- Não diga “tenho um problema”, diga “temos um problema”, porque os teus problemas são meus, também.

Marido:

- Está bem, temos um problema grave no serviço: a nossa secretária vai ter um filho nosso.


MARIDO LAVANDO ROUPA

Fascinado com as tarefas domésticas, o marido resolveu lavar sua própria camiseta. Pouco depois de ter chegado perto da máquina de lavar, gritou para a esposa:

- Que programa de lavagem devo usar na máquina?

- Depende da roupa - respondeu a esposa - O que diz na camiseta?

Ele gritou outra vez, muito feliz:

- "I love Floripa"!

Desabafo da esposa:

- E ainda falam das loiras!...


HOMEM x MULHER

O Marido e a Mulher não se falavam há uns três dias... Entretanto, o homem lembra-se que, no dia seguinte, terá uma reunião muito cedo no escritório (e como precisava levantar cedo), resolveu pedir à mulher para acordá-lo, mas para não dar o braço a torcer, escreve num papel: "Acorde-me às 06 horas da manhã".

No outro dia, levanta-se e, quando olha no relógio, são 09:30h.

O homem tem um ataque e pensa:

“Retardada!!! Estúpida!!! Não me acordou...

Nisto, olha para a mesa de cabeceira e, repara num papel no qual está escrito:

"...São seis horas da manhã, levanta!!!"

MORAL DA HISTÓRIA:

NÃO FIQUE SEM FALAR COM AS MULHERES, elas ganham sempre!


NO SUPERMERCADO

Um homem jovem estava fazendo compras no supermercado, quando notou que uma velhinha o seguia por todos os lados. Se ele parava, ela parava e ficava olhando para ele. No fim, já no caixa, ela se atreveu a falar com ele,  dizendo:-

- Espero que não o tenha feito se sentir incomodado; mas é que você se parece muito com meu filho, que faleceu.

O jovem, com um nó na garganta, respondeu que estava tudo bem, que não havia problema. A velhinha lhe disse que gostaria de pedir-lhe algo incomum.

O jovem perguntou-lhe em que poderia ajudá-la. A velhinha falou que queria que ele lhe dissesse "Adeus, Mamãe" quando ela saísse do supermercado, porque isso a faria muito feliz...

O jovem, sabendo que seria um gesto que encheria de felicidade o coração e o espírito da velhinha, aceitou. Então, enquanto a velhinha passava pela caixa registradora, voltou-se sorrindo e agitando sua mão, disse:

- ADEUS, FILHO!...

Ele, cheio de amor e ternura, respondeu efusivamente:

- ADEUS, MAMÃE!!!

O homem, contente e satisfeito, pois com certeza havia dado um pouco de alegria à velhinha, continuou pagando suas compras.

- São R$ 554,00 - disse a moça do caixa.

- Por que tanto, se só levo cinco produtos?

E a moça do caixa lhe disse:-

- Sim, mas sua MAMÃE disse que você pagaria pelas compras dela, também.

MORAL DA HISTÓRIA:

Mãe é mãe, avó é avó, madrasta é madrasta, mas desconhecidos são apenas desconhecidos. Fique esperto!


ARROGÂNCIA

Um agente da Polícia Federal vai a uma fazenda, em Bagé, RS, e diz ao dono, um velho fazendeiro:

- Preciso inspecionar sua fazenda, por suspeita de plantação ilegal de maconha!

O fazendeiro diz:

- Tudo bem, mas não vai naquele campo ali - e aponta para uma certa área.

O oficial, p. da vida e cheio de arrogância diz, indignado, ao fazendeiro:

- O senhor sabe que tenho o poder do governo federal comigo? Tirando do bolso um crachá e mostrando-o ao fazendeiro, brada:

- Este crachá me dá a autoridade de ir aonde quero, e entrar em qualquer propriedade. Não preciso pedir ou responder a nenhuma pergunta. Está claro? Eu me fiz entender?

O fazendeiro, com cara de deboche, pede desculpas e volta para o que estava fazendo. Poucos minutos depois o fazendeiro ouve uma gritaria e vê o policial, correndo para salvar sua própria vida, perseguido pelo "Santa Gertrudes", o maior touro da fazenda. A cada passo, o touro vai chegando mais perto do policial, que, inevitavelmente, será atacado antes de conseguir alcançar um lugar seguro. O oficial grita por socorro, perguntando:

- E agora, o que eu faço???.

O fazendeiro, gaúcho muito educado e solícito, larga suas ferramentas, corre para a cerca e grita com todas as forças de seus pulmões:

- O teu crachá! Mostra o teu CRACHÁ pra ele!!! 

Seleção feita Por Nolfeu Barbosa

Mais artigos de COLUNA DO BARBOSA