Coluna: COLUNA DO BARBOSA

Dia 21 de abril
23 de Abril de 2021 às 08:33
Nolfeu Barbosa, em sua coluna desta sexta-feira, faz uma referência ao dia 21 de abril, data em que se comemora o Dia de Tiradentes, patrono da Polícia Civil e da Polícia Militar.
Nolfeu Barbosa, em sua coluna desta sexta-feira, faz uma referência ao dia 21 de abril, data em que se comemora o Dia de Tiradentes, patrono da Polícia Civil e da Polícia Militar.

Através do Decreto-Lei 9.208, de 29 de abril de 1946, ficou estabelecido que o dia 21 de abril seria dedicado às corporações Polícia Civil e Polícia Militar, como forma de homenagem aos órgãos responsáveis pela segurança da população e a manutenção da ordem pública, seguindo as leis e normas de boa conduta em sociedade. A escolha dessa data se deu por ser o dia em que morreu Tiradentes, patrono dessas duas corporações.

Aqui, no Rio Grande do Sul, as duas corporações têm bons índices de aprovação junto à população, com um número bastante razoável de prisões, apreensões e resolução de fatos delituosos. Esses índices poderiam ser melhores, não fosse a má elaboração de alguns artigos da nossa constituição, que se prestam a mais de uma interpretação. Devido a isso, cada juiz interpreta a lei à sua maneira, acarretando sensível prejuízo às investigações e prisões. Isso faz com que as polícias Civil e Militar trabalhem “enxugando gelo”, já que eles efetuam as prisões e a justiça acaba soltando os criminosos, atendendo, alegadamente, aos preceitos constitucionais. Fala-se, já há alguns anos, em modificar a Constituição, tornando-a menos interpretativa, mas isso acaba ficando sempre para os anos seguintes.

Outro fator de desestímulo aos integrantes dessas duas corporações é a questão salarial, pois o governo passa muito tempo sem reajustar os vencimentos e, como no caso atual, sem sequer repor a inflação anual. Mesmo assim, esses valorosos homens e mulheres não deixam de cumprir suas obrigações, servindo, protegendo e auxiliando a população, sempre que necessário. Isso é amor e desprendimento à carreira que abraçaram.

FAÇA ISSO POR MIM

“Quando minha hora chegar, não tente introduzir vida artificial no meu corpo, através de uma máquina! Em vez disso, doe meus olhos para um homem que nunca viu o sol nascer, o rosto de um bebê ou o amor nos olhos de uma mulher! Doe meus rins para uma pessoa que depende de máquina para viver de semana em semana! Pegue meu sangue, meus ossos, todos os músculos e nervos do meu corpo, e encontre uma maneira de fazer  uma criança aleijada andar! Explore todos os cantos do meu cérebro! Pegue minhas células, se for necessário, e cultive-as! Então, quem sabe, algum dia um garoto mudo consiga gritar quando seu time marcar um gol, e uma garota surda consiga ouvir o som dos pingos da chuva batendo na sua janela!

Queime o que restar de mim e espalhe as cinzas para ajudar as flores crescerem! Se você quiser mesmo enterrar alguma coisa, enterre meus erros e minhas fraquezas! Minha alma, eu peço que seja entregue a Deus! Se você quiser lembrar de mim, faça tudo isso como um gesto de bondade!

Se você fizer isso, aí sim, eu viverei para sempre!”

OBS.: O texto “Faça isso por mim” foi retirado da internet, sem autoria definida.


Por Nolfeu Barbosa

Mais artigos de COLUNA DO BARBOSA