Coluna: @ Serra gaúcha - Por Oliveira Junior

Oracy, das ruas de pedra às ruas celestiais.
07 de Junho de 2019 às 08:50
Mais pessoas deveriam ter conhecido e convivido com o Oracy,  essa fábula da cultura da terra dos poetas.
Mais pessoas deveriam ter conhecido e convivido com o Oracy, essa fábula da cultura da terra dos poetas.

Adoro escrever, descrever, entretanto, como me julgo insignificante quando tenho que discorrer sobre uma pessoa de uma nobre cultura como foi nosso amigo Oracy Dorneles, escritor, poeta, caricaturista, escultor, o qual brilhou nessas artes e também na telinha televisiva, como SBT e Globo. Como disse meu amigo Aramis Gonçalves também poeta santiaguense radicado em São Leopoldo (São Léo), em sua página Krônicas: Mais pessoas deveriam ter conhecido e convivido com o Oracy, essa fábula da cultura da terra dos poetas.

Nosso amigo Oracy despediu-se desse plano nesse 02 de junho 2019, mas com absoluta certeza nos legou dentre tantos predicados, cultura e humildade. Desde meus primeiros passos/tempos de Rádio Santiago, eu me aproximava um tanto inibido do seu Oracy, a fim de captar pelo menos, réstias de sua cultura. Lembro-me de sua casa ali na rua Duque de Caxias. O fogão à lenha, o chimarrão, garnisés, pintos, galinhas juntos aos pés, era uma maneira de verdadeiramente conviver com a natureza e ele adorava os animais.

Lembro grande parte de sua trajetória de fama, só que Oracy nunca se envaideceu com as manchetes de seus livros, poesias, aparições na tv. E disso certamente meu amigo Amon Dorneles (filho) poderá se orgulhar pro resto da vida. Aliás, o Amon é também um exemplo de educação, destaque do escotismo santiaguense, Toutinegra . Com o mesmo carinho descrevo a minha saudosa amiga Isis Dorneles, Psicóloga bem sucedida que viveu seus últimos anos no nordeste brasileiro. Recordo-me da Isis, minha colega na Rádio Verdes Pampas FM, que labutou na URI-Santiago, e como eu, ela apreciava muito a música. Hoje pai e filha trocam prosas no céu.

Todos nós guardamos na mente a lembrança da rua onde moramos e crescemos. Buscando os alfarrábios do amigo Oracy, tem uma poesia com o título "Minha rua", em homenagem ao seu pai. Numa estrofe diz: "Pobre rua esburacada de Santiago eu te saúdo; Tu nunca disseste nada como se soubesse de tudo; Nunca foste compreendida porque és humilde demais; Mas cada pedra elucida teus sentimentos reais". Oracy viu as poucas ruas de Santiago com paralelepípedos e muitas com terra solta e poeira quando ventava ou passava uma condução. Certamente inspirado nisso, o poeta Oracy despejou essas palavras, as quais percorrem a eternidade. Agora, Oracy Dorneles percorre as ruas celestiais, e lá do alto entre as estrelas, semeia suas ideias geniais aos seus discípulos da poesia eclética que deixou entre nós.

Direto da Serra Gaúcha, Oliveira Junior.  

Mais artigos de @ Serra gaúcha - Por Oliveira Junior