Coluna: COLUNA DO BARBOSA

Seleção de contos
25 de Fevereiro de 2022 às 09:08
Na coluna desta sexta-feira, 25/02, Nolfeu Barbosa brinda os leitores com três belos contos para reflexão.
Na coluna desta sexta-feira, 25/02, Nolfeu Barbosa brinda os leitores com três belos contos para reflexão.

O VALOR DE CADA UM

Um famoso palestrante começou um seminário segurando uma nota de 100 reais. Numa sala, com 200 pessoas, ele perguntou:
– Quem quer esta nota de 100 reais?
Mãos começaram a se erguer. Ele disse:
– Eu darei esta nota a um de vocês, mas, primeiro, deixem-me fazer isto!
Então ele amassou a nota. E perguntou, outra vez:
– Quem ainda quer esta nota?
As mãos continuaram erguidas.
– Bom – ele disse –, e se eu fizer isto?
E ele deixou a nota cair no chão e começou a pisá-la e esfregá-la. Depois pegou a nota, agora imunda e amassada, e perguntou:
– E agora? Quem ainda quer esta nota?
Todas as mãos permaneceram erguidas.
– Meus amigos, vocês todos devem aprender esta lição: não importa o que eu faça com o dinheiro, vocês ainda irão querer esta cédula, porque ela não perde o valor. Ela ainda valerá 100 reais.
Essa situação também se dá conosco. Muitas vezes, em nossas vidas, somos amassados, pisoteados e ficamos sujos, por decisões que tomamos e/ou pelas circunstâncias que vêm em nossos caminhos. E, assim, ficamos nos sentindo desvalorizados, sem importância. Creiam, porém, que não importa o que aconteceu ou o que acontecerá, jamais perderemos o nosso valor ante o Universo. Quer estejamos sujos, quer estejamos limpos, quer amassados ou inteiros, nada disso altera a importância que temos. A nossa valia. O preço de nossas vidas não é pelo que fazemos ou sabemos, mas pelo que SOMOS! Somos especiais. VOCÊ é especial. Muito especial… Jamais se esqueça disso!

FINAL TRISTE

Ela: Meu aniversário é amanhã.
Ele: Eu sei, amor, você acha que eu esqueceria uma data tão especial?
Ela: Obrigada, por isso eu te amo!
Ele: O que você quer ganhar de presente, amor?
Ela: Posso escolher o que eu quiser?
Ele: Sim.
Ela: Quero um anel de diamante.
Ele: Feito.
Ele deu um beijo nela e foi embora. As horas vão passando, ela vai ao salão de beleza, vai na manicure, vai no shopping, compra o mais lindo e mais caro vestido, e chega o tão esperado dia. Ela está linda, toda produzida, parece uma princesa de contos de fada, então seu namorado chega.
Ele: Você está linda!
Ela: Obrigada.
Ele: Eu te amo tanto...
Ela: Eu também te amo!
Ele: Você me hipnotizou tanto que estava me esquecendo do seu presente.
Toda ansiosa, a garota abre o presente e leva um susto.
Ela: Você me deu uma boneca, credo!
Então a garota atira o presente longe...
O garoto corre o mais rápido que consegue para salvar a boneca, mas, na correria, ele é atropelado por um carro que vinha em alta velocidade. O que era festa virou uma tragédia. Ele é socorrido e levado para o hospital, mas de nada adianta, ele morre depois de algumas horas. A garota sente-se muito arrependida, chora a cada minuto quando se lembra de tudo. Durante o enterro, a garota abraça a boneca com bastante força. Ao apertar o brinquedo, a garota fica chocada, pois a boneca diz:
"Feliz aniversário, quer casar comigo?".
E, então, cai um bilhete no chão, que diz:
" Pegue o anel no bolso esquerdo da boneca, espero que você goste. Eu te amo muito."

A CARROÇA

Certa manhã, meu pai, muito sábio, convidou-me para dar um passeio no bosque e eu aceitei com prazer. Após algum tempo, ele se deteve numa clareira e, depois de um pequeno silêncio, me perguntou:
– Além do canto dos pássaros, você está ouvindo mais alguma coisa?
Apurei os ouvidos por alguns segundos e respondi:
– Estou ouvindo um barulho de carroça.
– Isso mesmo – disse meu pai – e é uma carroça vazia!
Perguntei a ele:
– Como pode saber que a carroça está vazia, se ainda não a vimos?
– Ora – respondeu meu pai –, é muito fácil saber que uma carroça está vazia por causa do barulho. Quanto mais vazia a carroça, maior é o barulho que faz.
Tornei-me adulto e, até hoje, quando vejo uma pessoa falando demais, gritando (no sentido de intimidar), tratando o próximo com grosseria inoportuna, prepotente, interrompendo a conversa de todo mundo e querendo demonstrar ser o dono da razão e da verdade absoluta, tenho a impressão de ouvir a voz do meu pai dizendo:
– Quanto mais vazia a carroça, mais barulho ela faz!

Seleção de contos feita por Nolfeu Barbosa.

Mais artigos de COLUNA DO BARBOSA