Coluna: COLUNA DO BARBOSA

Erros e Acertos (Nolfeu Barbosa)
17 de Setembro de 2021 às 07:39
Na sua coluna de hoje, Nolfeu Barbosa nos leva a refletir sobre os erros e acertos que cometemos ao longo de nossas vidas.
Na sua coluna de hoje, Nolfeu Barbosa nos leva a refletir sobre os erros e acertos que cometemos ao longo de nossas vidas.

É muito bom chegar ao último terço da vida gozando de boa saúde. Fazendo um balanço do que já passou, posso me dar por feliz e satisfeito. Se cometi erros? Claro que sim, quem não cometeu? Há erros que cometemos na ânsia de acertar, mas há, também, aqueles erros bobos, que poderiam ter sido evitados com um pouco mais de experiência de vida, talvez. Também há erros que até mesmo nós, que os cometemos, julgamos imperdoáveis. Quanto a esses, nada podemos fazer, pois depende da pessoa que magoamos decidir se um dia irá nos perdoar. E isso leva tempo, muito tempo...

Não podemos, entretanto, ficar tentando corrigir os erros do passado, pois isso nos impediria de seguir a vida, e o máximo que podemos fazer é tentar não cometer os mesmos erros no futuro. O grande mistério da vida é que só podemos viver, vivendo, e não podemos aproveitar o erro alheio como aprendizado, já que, pela lei da vida, cada um comete seus próprios erros.

Agrada-me muito a ideia de pensar que cometi mais acertos do que erros, que fiz mais coisas boas do que ruins. E continuo fazendo, pois isso, além de ajudar as pessoas, me traz um prazer indizível. Espero, sinceramente, ser lembrado mais pelos meus acertos do que pelos meus erros. Mas isso, é claro, dependerá do conceito que cada pessoa tem de mim, não é verdade?

PARA DESCONTRAIR:

NA FLORESTA:

O padre estava passeando pela floresta, quando avista uma enorme onça caçando para alimentar os filhotes. Começou a correr e, quando ela estava quase alcançando-o, teve uma ideia brilhante. Parou, ajoelhou-se, levantou as mãos para o céu e começou a rezar:

- Senhor, faça com que esse animal tenha princípios cristãos.

A onça parou abruptamente, ergueu as mãos para o céu e disse:

- Senhor, abençoai esse alimento que vamos comer...

VIZINHOS:

À noite, enquanto o marido lia o jornal, a esposa comenta:

- Você já percebeu como vive o casal que mora aí em frente?

- Não. Como?...

- Parecem dois namorados. Todos os dias, quando chega em casa, ele traz flores para ela, abraça-a e os dois ficam se beijando apaixonadamente. Por que você não faz o mesmo?

- Mas, querida, eu mal conheço essa mulher!!!

MULHER CIUMENTA:

Após um longo período de doença, a mulher morre e chega aos portões do céu. Enquanto aguardava São Pedro, ela espiou pelas grades e viu seus pais, amigos e todos que haviam partido antes dela, sentados à mesa, apreciando um maravilhoso banquete. Quando São Pedro chegou, ela comentou:

- Que lugar lindo! Como faço para entrar?

- Eu vou falar uma palavra. Se você soletrá-la corretamente na primeira tentativa, você entra; se errar, vai direto para o inferno.

- Tá, qual é a palavra?

- AMOR.

Ela soletrou corretamente e passou pelos portões.

Cerca de um ano depois, São Pedro pediu que ela vigiasse os portões do céu naquele dia.  Para surpresa dela, o marido apareceu.

- Oi! Que surpresa! - disse ela. - Como você está?

- Ah, eu tenho estado muito bem desde que você morreu. Casei-me com aquela bela enfermeira que cuidou de você, ganhei na loteria e fiquei milionário. Vendi a casa onde vivemos e comprei uma mansão. Eu e minha nova esposa viajamos por todo o mundo. Estávamos de férias, e eu fui esquiar hoje. Caí, o esqui bateu na minha cabeça e cá estou. Como faço para entrar?

- É simples. Eu vou falar uma palavra. Se você soletrá-la corretamente na primeira tentativa, você entra; se errar, vai para o inferno.

- Tá bom, qual é a palavra?

- SCHWARZENEGGER.

MORAL DA HISTÓRIA: Ciúme é ciúme em qualquer local do universo.


Por Nolfeu Barbosa

Mais artigos de COLUNA DO BARBOSA