Coluna: COISAS DO BARBOSA

Reforma tributária
24 de Julho de 2020 às 08:39
Segundo especialistas, empresas de pequeno porte e serviços serão os mais atingidos com a reforma tributária.
Segundo especialistas, empresas de pequeno porte e serviços serão os mais atingidos com a reforma tributária.

Desde o ano de 1970, que eu ouço falar que o Brasil necessita de reformas, para diminuir a desigualdade de renda, crescer e se tornar uma nação pujante. É claro que fazer reformas num país tão grande como o nosso é muito difícil, pois mexe com privilégios de determinados grupos.

Ao longo de 50 anos, os governos que foram se sucedendo pouca ou nenhuma importância deram às tais reformas. Nossos governantes demoram muito para implementar uma simples reforma, parece que pouco se preocupam com o povo que os elegeu. As reformas trabalhista e previdenciária foram arrancadas praticamente à força do Congresso e, mesmo assim, não contentaram parte da sociedade. Nossos ilustres congressistas, por preguiça ou por inércia, preferiram atualizar os códigos civil, penal e processual penal, ao invés de fazerem códigos novos. Certamente eles são muito ocupados, preocupando-se mais com seus próprios benefícios do que com o povo.

A bola da vez, agora, é a reforma tributária. Essa reforma deveria diminuir a carga tributária e melhorar a oferta de empregos, além de estimular a produtividade e o crescimento econômico, mas duvido muito que isso ocorra, pois já estão falando num novo imposto similar à antiga CPMF. Existe a previsão de correção da tabela do imposto de renda, mas só acreditarei vendo.

Segundo especialistas em matéria tributária, empresas de pequeno porte e serviços serão os mais atingidos com essa reforma. Certamente, o governo vai querer recuperar as perdas causadas pela pandemia, com o suor do povo já tão sofrido.

Por Nolfeu Barbosa.

Mais artigos de COISAS DO BARBOSA